GREENMARKET NOVA-IORQUINO: ONDE O RURAL SE ENCONTRA COM A MEGALÓPOLE AMERICANA

Gutemberg Armando Diniz Guerra, Maria de Nazaré Angelo MENEZES, Daniel Garcia, Lin Chau Ming

Resumo


O Greenmarket Farmers, como são chamados os mercados hortícolas em Nova Iorque, Estados Unidos da América, tem como uma de suas particularidades a de ser organizado por produtores rurais apoiados pelo Council of Environment of the New York City e cuja venda de produtos deve ser feita diretamente aos consumidores, sem intermediários. Exerce uma importante função, tanto para os agricultores quanto para o público consumidor. No presente estudo foi realizado levantamento contínuo no período de um ano (agosto de 2008 a junho de 2009) seguindo-se de visitas pontuais nos anos de 2010, 2011 e 2012 ao levantamento sistemático, um refinamento dos dados sobre as plantas hortícolas comercializadas e seus produtores no Greenmarket Farmers, que possuem 46 pontos de venda em Manhattan, Brooklyn, Queens, Bronx e Staten Island. Neste período foram observados aspectos de entrelaçamento entre produtores rurais e consumidores urbanos, além da diversidade vegetal. Foram levantadas 120 espécies de plantas comercializadas por 60 produtores, nos diversos pontos do Green Market. Foram listadas 38 famílias botânicas, inseridas em 84 gêneros. A família mais recorrente é Brassicaceae (18), seguida de Asteraceae (13), Lamiaceae (12) e Rosaceae (12). Aspecto que se revela nestas feiras é a face agrícola do estado de Nova Iorque, em geral representado por atividades de turismo e do centro financeiro do mais poderoso país do mundo, e uma das maiores concentrações populacionais do planeta. O apelo ecológico, o estímulo ao consumo de produtos locais e a concessão de cupons de beneficio cedidos às pessoas em dificuldade[1], em uma comunidade cosmopolita e multi-étnica, canalizam recursos públicos e apoiam este tipo de mercado, permitindo uma reflexão sobre as relações e interatividade entre rural e urbano, diluídas pelas características próprias aos países desenvolvidos, em especial em grandes cidades. Portanto, percebe-se com este trabalho que os “greenmarkets” são pontos não só de venda de grande diversidade de vegetais, mas também local para relacionamentos, trocas de experiências e ideologias.


[1] Os cupons podem ser usados em qualquer supermercado ou nos Greenmarkets.


Palavras-chave


sociabilidade; agrobiodiversidade; mercado local; sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, M.A.; JALFIM, F.T.; BLACKBURN, R.M.; SANTIAGO, F.S. A promoção de feiras agroecológicas como instrumentos eficazes para a sustentabilidade da agricultura familiar no semiárido: a experiência do Projeto Dom Helder Camara. Cadernos de Agroecologia, [S.l.], v. 8, n. 2, 2013.

BARBOSA W.L.R., PINTO, L.N. Documentação e valorização da fitoterapia tradicional Kayapó nas aldeias A'Ukre e Pykanu - sudeste do Pará. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 13, supl., p. 47-49, 2003.

BELTRÁN, C.J.R.; SANDOVAL, L.G.A. Modelo conceptual para determinar el impacto del merchandising visual en la toma de decisiones de compra en el punto de venta. Pensamiento & gestión, 36, p.1-27, 2014.

DAROLT, M. R.; LAMINE, C.; BRANDEMBURG, A. A diversidade dos circuitos curtos de alimentos ecológicos: ensinamentos do caso brasileiro e francês. Agriculturas, v. 10, n. 2, 2013.

FAO (Food and Agriculture Organization): Disponível em http://www.fao.org/faostat/en/#home, acessado em Janeiro de 2014.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de janeiro : LTC, 2008.

GROWNYC, Disponível em http://www.grownyc.org/greenmarket. Acessado em Janeiro de 2018.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed. 34 ed, 1994.

LOPES, I. S., DA SILVA, J.E.R., MACHADO, I.A., DA SILVA, C.E.M.R., MARINHO, M.G.V., RANGEL, J.A.F. Levantamento de plantas medicinais utilizadas na cidade de Itapetim, Pernambuco, Brasil. Revista de Biologia e Farmácia, v. 7, n. 1, 2012.

MORRIS, D.H. One thousand friends of food: strategies for the implementation of local food policy in New York City. Tese apresentada no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, 2009.

NEW YORK APPLE ASSOCIATION. Disponível em http://www.nyapplecountry.com/about/nyaa. Acessado em 3 de Janeiro de 2017.

ROBERT, P. DE, GARCES, C. L, LAQUES, A.E., COELHO-FERREIRA, M. A beleza das roças: agrobiodiversidade Mebêngôkre-Kayapó em tempos de globalização. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 7, n. 2, p. 339-369. 2012.

SABOURIN, E. Dinâmicas territoriais e acesso aos mercados: uma leitura pela reciprocidade. In. Silva, A. G. D; Cavalcanti, J. S. B. E Wanderley, M. de N. B. Diversificação dos espaços rurais e dinâmicas territoriais no Nordeste do Brasil. João Pessoa. Editora Zarinha Centro de Cultura, 2009.

SATO, L. Processos cotidianos de organização do trabalho na feira livre. Psicologia & Sociedade, Edição Especial, 95-102, 2007.

TROPICOS, 2016. Disponível em: http://www.tropicos.org/. Acessado em Dezembro de 2016.

USDA, Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. Disponível em: https://www.nass.usda.gov/. Acessado em Janeiro, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v3i0.156

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com