QUAL A PERCEPÇÃO DOS MORADORES DO ENTORNO DA RESERVA BIOLÓGICA AUGUSTO RUSCHI (ESPÍRITO SANTO, BRASIL) SOBRE OS ANFÍBIOS ANUROS?

Fernanda Cristina Lirio Ferreira, Rodrigo Barbosa Ferreira

Resumo


A Percepção Ambiental é um instrumento metodológico que possibilita o entendimento sobre o conhecimento popular e pode contribuir par a criação ou reajuste de estratégias que visem ao manejo e à conservação de áreas protegidas. O presente estudo envolveu a perspectiva dos moradores residentes no entorno de uma Unidade de Conservação em relação aos anfíbios anuros (sapo, rã e perereca), na tentativa de delinear um perfil do entendimento sobre crenças e juízos que as pessoas fazem destes animais. Entrevistas semiestruturadas com 18 moradores foram conduzidas em junho de 2016 em três comunidades no entorno da Reserva Biológica Augusto Ruschi, zona rural do município de Santa Teresa, Estado do Espírito Santo. Foi possível perceber que grande parte dos entrevistados possui conhecimentos sobre as diferenças morfológicas existentes entre os anfíbios anuros e sua ecologia. Sobre o sentimento dos entrevistados em relação aos sapos, pererecas e rãs, 22% gostam desses animais, 40% são indiferentes. Sobre atitudes e reações, 77% nunca mataram esses animais. Isto nos leva a acreditar que os participantes lidam bem com esses animais, principalmente por conviverem e entenderem sua importância no meio ambiente. O histórico de educação familiar influencia a manutenção dos preconceitos, distanciamento e atitudes negativas em relação aos anfibios anuros.  Explorar o conhecimento popular e a forma como as pessoas interagem com o meio ambiente pode ser uma ferramenta para aliar a demanda ambiental e o desenvolvimento de estratégias à conservação da biodiversidade.


Palavras-chave


Conhecimento tradicional; Etnoherpetologia; Unidade de Conservação; Santa Teresa

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, J. R. Psicologia cognitiva e suas implicações experimentais. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. 2004.

AQUIJE, G. M. F. V.; SANTOS, I. K. F. Levantamento florístico de pteridófitas da Reserva Biológica Augusto Ruschi, Santa Teresa-ES. Revista Brasileira de Biociências, v. 5, n. 2, p. 909-911. 2007.

BARBOSA, A. R. Os humanos e os répteis da mata: uma abordagem etnoecológica de São José da Mata – Paraíba. João Pessoa-PB. Dissertação – Universidade Federal da Paraíba – Prodema, 2007.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BEGOSSI, A. Ecologia humana: um enfoque das relações homem-ambiente. Interciência, v. 18, p. 121-132, 1993.

BERNARD, H. R. Research methods in anthropology: qualitative and quantitative approaches. American Journal of Evaluation, v. 17, p. 91-92, 1996.

COLOMBO, P.; ZANK, C. Informações gerais sobre anfíbios. In: BOND-BUCKUP, G. (Org.). Biodiversidade dos Campos de Cima da Serra. 1. ed. Porto Alegre: Libretos, 2008. p. 104-111.

COSTA-NETO, E. M.; PACHECO, J. M. A construção do domínio etnozoológico “inseto” pelos moradores do povoado de Pedra Branca, Santa Terezinha, Estado da Bahia. Acta Scientiarum. Biological Sciences Maringá, v. 26, n.1, p. 81-90, 2004.

CULLEN JR. L.; RUDRAN, R.; VALLADARES-PÁDUA, C. Métodos de estudos em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. 2. ed. Curitiba: Editora UFRP, 2012.

DIAS, M. A. S.; LIMA, N. B.; FIGUEIREDO-DE-ANDRADE, C. A. Análise do conhecimento etno-herpetológico dos estudantes no município de Salinas, Minas Gerais, Brasil. Acta Biomedica Brasiliensia, v. 9, n.1, p. 36-47, 2018.

DUELLMAN, W. E.; TRUEB, L. Biology of amphibians. Baltmore: The Johns Hopkins University Press, 1994.

FERREIRA, R. B.; DANTAS, R. B.; TONINI.; J. F. R. Distribuição espacial e sazonal de anfíbios em quatro poças na região serrana do Espírito Santo, sudeste do Brasil: influência de corredores florestais. Série Zoologia, Iheringia, v. 102, p. 163–169. 2012

FERREIRA R. B.; BEARD K. H.; CRUMP M. L. Breeding guild determines frog distributions in response to edge effects and habitat conversion in the Brazil’s Atlantic Forest. PLoS ONE. v. 11, p. 1–13. 2016.

FERREIRA, R. B.; LOURENÇO-DE-MORAES, R.; ZOCCA, C.; DUCA, C.; BEARD, K. H.; BRODIE Jr.; E. D. Antipredator mechanisms of post-metamorphic anurans: a global database and classification system. Behavioral Ecology and Sociobiology, v. 73, p. 769, 2019.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA, INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica, período 2011–2012. São Paulo: SOS Mata Atlântica, 2013.

HADDAD, C. F. B., TOLEDO, L. F., PRADO, C. P. A. Anfíbios da Mata Atlântica: guia dos anfíbios anuros da Mata Atlântica. Neotropical, p. 09-42, 2008.

HADDAD, C. F. B. Anfíbios: uma análise da Lista Brasileira de Anfíbios Ameaçados de Extinção. In MACHADO, A.B.M.; DRUMMOND, G.M.; PAGLIA, A.P. (eds.). Livro vermelho da fauna brasileira ameaçada de extinção. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2008.

HOYT, E.; SCHULTZ, T. Insect lives: stories of mystery and romance from a hidden world. Harvard University Press, 1999.

IUCN. Red List of Threatened Species. Version 2019-1. Disponível em: . Acesso em 18 abr. 2019.

LIMA, J. R. F.; LIMA, J. D.; SILVA, R. B. L.; ANDRADE, G. V. De. Percepção de anfíbios na Área de Proteção Ambiental do Rio Curiaú, Macapá, Amapá, Brasil. In: BASTOS, A. M.; MIRANDA JUNIOR, J. P.; LIMA E SILVA, R. B. (Orgs.). Conhecimento e manejo sustentável da biodiversidade amapaense. São Paulo: Blucher, 2017. p. 91-118.

LUCENA, M. M. A.; FREIRE, E. M. X. Percepção ambiental por uma comunidade rural do entorno de uma reserva particular do patrimônio natural (RPPN), semiárido brasileiro. 2011. Educação Ambiental em ação, n. 35, ano IX. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2018.

MARQUES, J. G. W. Pescando pescadores: ciência e etnociência em uma perspectiva ecológica. 2. ed. São Paulo: Nupaub/USP, 1995.

MESQUITA, E. D. dos S. Percepções e usos da fauna silvestre pelas comunidades humanas do entorno da reserva particular do patrimônio natural do Caraça, Catas Altas/Santa Barbara, MG. 2004. 92 f. Dissertação (Mestrado em Zoologia de Vertebrados de Ambientes Impactados). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

NARVAES, P.; RODRIGUES, M. T. Taxonomic revision of Rhinella granulosa species group (Amphibia, Anura, Bufonidae), with a descripton of a new species. Arquivos de Zoologia, v. 40, n. 1, p. 1-73, 2009.

OLIVEIRA, E. S. Uso e conservação da fauna por populações humanas no Rio Grande do Norte, nordeste do Brasil. 2011. 94 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.

OLIVEIRA, I. S.; FREIRE, E. M. X. Conhecimento ecológico local sobre anfíbios anuros por agricultores em sistemas agrícolas de região semiárida brasileira. Revista Brasileira de Ciências Ambientais (Online), v. 36, p. 202-207, 2015.

PAZINATO, D. M. M. Estudo etnoherpetológico: conhecimentos populares sobre anfíbios e répteis no município de Caçapava do Sul, Rio Grande do Sul. 2013. 65 f. Monografia (Especialização em Educação Ambiental) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2013.

PIMENTA, B.; COSTA, D.; MURTA-FONSECA, R.; PEZZUTI, T. Anfíbios: Alvorada de Minas, Conceição do Mato Dentro, Dom Joaquim, Minas Gerais. Belo Horizonte: Bicho do Mato, 2014.

PINTO, L. C. L. Etnozoologia e conservação da biodiversidade em comunidades rurais da Serra do Ouro Branco. Ouro Preto, MG. 2011. 84 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia de Biomas Tropicais) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2011.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 1990.

QUEIROZ, H. L.; PERALTA, N. Reserva de desenvolvimento sustentável: manejo integrado dos recursos naturais e gestão participativa. In: GARAY, I.; BECKER, B.K. (Orgs). Dimensões humanas da biodiversidade: o desafio das relações sociedade natureza no século XXI. 1 ed. Petrópolis: Editora vozes, 2006. p. 447-483.

RIBEIRO, C. D. L.; RIBEIRO, P.P.; IRIAS, N. G.; SILVA, M. T. H. Educação Ambiental: desvendando a concepção das crianças em relação aos anfíbios anuros. Revista Mediação, v. 1, p. 54-65, 2012.

SALLA, R. F.; COSTA, M. J.; FERNANDES, H. L. Influência do sistema afetivo-emocional no aprendizado: valores culturais e mitificação dos anfíbios anuros. Revista de Ensino de Biologia, v. 10, n. 1, p. 87-105, 2017.

SILVA, T. S.; CÂNDIDO, G. A; FREIRE, E. M. X. Conceitos, percepções e estratégias para conservação de uma estação ecológica da caatinga nordestina por populações do seu entorno. Uberlândia, Sociedade & Natureza, v. 21, n. 2, p. 23-37, 2009.

SOUZA, C. E. P. DE; SOUZA, J. G. DE. (Re)conhecendo os animais peçonhentos: diferentes abordagens para a compreensão da dimensão histórica, sócio-ambiental e cultural das ciências da natureza. 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2017.

VALENCIA A.; CORTES A. M.; RUIZ C. A. Ecosystem services provided by amphibians and reptiles in Neotropical ecosystems. International Journal of Biodiversity Science, Ecosystem Services & Management, v. 9, n. 3, p. 2-16. 2013.

WHYTE, A. V. T. Guidelines for field studies in environmental perception. Paris: UNESCO, 1977.

WOEHL, JR. G., WOEHL, E. N. Características dos anfíbios. 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v4i1.208

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com