CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS NA COMUNIDADE PESQUEIRA DE BOM JESUS DOS POBRES (SAUBARA-BA): UMA ABORDAGEM ETNOECOLÓGICA ABRANGENTE

Francisco José Bezerra Souto, Ketlen dos Santos Sampaio

Resumo


A pesca artesanal corresponde à quase totalidade da atividade pesqueira no Estado da Bahia, sendo desenvolvida em mar aberto, em afloramentos recifais ou em áreas de manguezais.  Dentre as áreas de ocorrência desses ecossistemas no estado, da Bahia, destaca-se a Baía de Todos os Santos (BTS). Apesar de sua importância ecológica, esta baía é extremamente impactada por vários empreendimentos e construções, o que leva ao estabelecimento de muitos conflitos socioambientais com comunidades pesqueiras, como é o caso da de Bom Jesus dos Pobres (Saubara-BA). Propõe-se com este trabalho analisar os diversos conflitos locais à luz da abordagem etnoecológica abrangente. Para isto foram gravadas entrevistas semiestruturadas com 35 especialistas em diversas modalidades de pesca e mariscagem, quando foram abordados assuntos relacionados à percepção do ambiente de pesca e aos conflitos socioambientais. Foram registrados três grandes tipos de conflitos: aqueles em torno da disputa pelo controle sobre os recursos ambientais; conflitos em torno dos impactos sociais e/ou ambientais gerados pela ação humana; e conflitos em torno de valores culturais e modo de vida. Quanto à origem também foram registrados conflitos endógenos (internos) e exógenos (externos). Transformações causadas pela opção desenvolvimentista na região, marcados pelas profundas diferenças de interesses entre as tradições e o capital, bem como modificações em estratégias de pesca na comunidade, são a base dos conflitos socioambientais locais.


Palavras-chave


Choque cultural; desenvolvimento; pesca artesanal

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri (Org.). Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relumé Dumará; Fund. Heinrich Boll, 2004a.

AGUIAR JR, T.R. de; DIAS, E.J.R. Comunidade litorâneas afetadas pela pesca com explosivos na Baía de Todos os Santos-BA: Uma análise da condição sócio-econômico-ambiental. Candombá – Revista Virtual, v. 3, n. 1, p. 40–44, jan – jun 2007

ALMEIDA, V.G. Aspectos da fauna. In: Baía de Todos os Santos: diagnóstico socio-ambiental e subsídios para a gestão. Salvador: Germen/UFBA-NIMA, 1997, p.137-150.

ALVES, T.S. A Pesca artesanal em Baiacu (Vera Cruz-BA): identidade, contradições e produção do espaço. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA, 2015.

AMOROZO, M.C., MING, L.C.; SILVA, S.P. da. Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Rio Claro: UNESP/CNPq, 2002.

ARAÚJO, N.M.S., MENDONÇA, E.S.; COSTA, J.M.A.; SILVA, J.P. Conflitos socioambientais no Nordeste brasileiro: tema de interesse do serviço social. R. Katál., Florianópolis, v.12, n.2, p.363-373, 2019.

BAHIA PESCA. Perfil do setor pesqueiro (Litoral do Estado da Bahia). Salvador: Bahia Pesca, 1994.

BAILEY, K. Methods of social research. New York: The Free Press, 1994.

BLACKMORE, S. The power of memes. Scientific american, 4 (283): 52-61, 2000.

BOTELHO, E.R.; O., SANTOS, M.C.F.; PONTES, A.C.P. Algumas considerações sobre o uso da redinha na captura do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) no litoral sul de Pernambuco, Brasil. Bol. Téc. Cient. CEPENE, v.8, n.1, p.55-71, 2000.

BRANDÃO, M. de A. Os vários recôncavos e seus riscos. Revista do Centro de Artes, Humanidades e Letras. V.1. n.1, p.53-56, 2007.

BRITO, R.R.C. Ambientes Aquáticos. In: FALCON, G. (Ed.). Baía de Todos os Santos; diagnóstico socio-ambiental e subsídios para a gestão. Salvador: Germen/UFBA-NIMA, 1997. p.71-78.

CASAL, F.C. Maré, Mangue e Marisco: Etnoecologia da Pesca Artesanal de Crustáceos na Comunidade do Angolá (RESEX Marinha da Baía do Iguape), Maragojipe – Bahia. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana-BA, 2010.

CASAL, F.C.; SOUTO, F.J.B. Conhecimentos etnoecológicos de pescadores da RESEX Marinha Baía de Iguape sobre ecología trófica em ambiente de manguezal. Ethnoscientia, v. 3 p.1-18, 2018

CINTRÓN, G.; SCHAEFFER-NOVELLI, Y. Introduccion a la ecologia del manglar. Montevideo: UNESCO/ROSTLAC, 1983.

COUTO, V.A.; AZIZ, C.; ROCHA, A.G.P. Caracterização sócio-econômica. In: FALCON, G. (Ed.) Baía de Todos os Santos; diagnóstico socio-ambiental e subsídios para a gestão. Salvador: Germen/UFBA-NIMA, 1997. p.167-184.

DAWKINS, R. O Gene egoísta. Belo Horizonte: Itatiaia, 1979.

DIAS, T. L da S.; CODES, D. H. C. de; BANDEIRA, F. P. S. de F. Comparação de Conflitos Sócio-ambientais em dois municípios da Baía de Todos os Santos, Bahia – um estudo preliminar de percepção. II CONGRESSO LATINOAMERICANO DE ETNOBIOLOGIA, VIII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ETNOBIOLOGIA E ETNOECOLOGIA. Recife, novembro de 2010.

DIEGUES, A.C.S. Ecologia humana e planejamento em áreas costeiras. São Paulo: NEPAUB-USP, 1995.

__________. Ecologia humana e planejamento costeiro. 2. ed. São Paulo: NUPAUB/USP, 2001.

_______. (Org.) Povos e águas: inventário de áreas úmidas. 2. ed. São Paulo: NUPAUB/USP, 2002.

FONTOURA, M.H. Atualização do diagnóstico de áreas recifais relevantes para a conservação da biodiversidade da Baía de Todos os Santos. Monografia de Graduação, UFBA, Salvador-BA, 2017.

GRENIER, L. Working with indigenous knowledge: a guide for reseachers. Canada: International Development Research Centre, 1998.

GUEDES, M.L.S.; SANTOS, J.J. Vegetação: mata ombrófila densa e restinga. In: FALCÓN, G. (Ed.). Baía de Todos os Santos; diagnóstico socio-ambiental e subsídios para a gestão. Salvador: germen/UFBA-NIMA, 1997. p.125-135.

HATJE, V.; BÍCEGO, M.C.; CARVALHO, G.C. de; ANDRADE, J.B. de. Contaminação química. In: HATJE, V. & ANDRADE, J.B. de. Baía de Todos os Santos: aspectos oceanográficos. Salvador: EDUFBA, 2009.

LITLLE, P. E. Os conflitos socioambientais: um campo de estudo e de ação política. In: BURSZTYN, M. (org.). A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Ed. Garamond Ltda, 2001.

LITLLE, Paul. E. Ecologia Política como Etnografia: um guia teórico e metodológico. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 12, n. 25, 2006.

LULA, A. Pesca predatória com uso de explosivos na Baía de Todos os Santos. Monografia de Gradação, Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA, 1996.

MARQUES, J.G.W. Pescando pescadores: etnoecologia abrangente no baixo São Francisco. São Paulo: NUPAUB/USP, 1995

MARTINS, V.S. Relatório Final sobre o EIA-RIMA do Estaleiro do Paraguaçu, Bahia. Comissão Pró-Iguape, Maragogipe-BA, 2010.

MARTINS, V.S. As Cores negras da lama: etnoecologia abrangente na comunidade quilombola Salamina Putumuju, Recôncavo da Bahia. Tese de Doutorado, Universidade de Campinas, Campinas-SP, 2014.

MONTEIRO, I.R.T. Modelagem Etnoecológica do Território da Pesca Artesanal em Ilha de Maré, Salvador-BA. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana-BA, 2014.

MONTEIRO, S. S; PROST, C. Impactos de atividades econômicas sobre os recursos hídricos na Baía do Iguape e Saubara. Extraído da internet em 26 de setembro de 2011.

NASCIMENTO, D.M.; MOURÃO, J.S.; ALVES, R.R.N. Substituição de técnicas tradicionais de captura do caranguejo-uçá (Ucides cordatus) pela técnica “redinha” no estuário do rio Mamanguape, Paraíba. Sitientibus série Ciências Biológicas, n.11, v. 2, p. 113-119, 2011.

OLIVEIRA, W.F. Evolução sócio-econômica do Recôncavo Baiano. In: FALCÓN, G. (Ed.). Baía de Todos os Santos; diagnóstico socio-ambiental e subsídios para a gestão. Salvador: Germen/UFBA-NIMA, 1997. p.43-56.

PEIXOTO, J.A.S. Baía de Todos os Santos: vulnerabilidades e ameaças. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA, 2008.

PROST, C. RESEX Marinha versus Polo Naval na Baía de Iguape. Novos Cadernos NAEA, v.13 n.1 p.47-70, 2010.

QUEIROZ, E.L. Baía de Todos os Santos: História, geologia, o homem e ecossistemas associados. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAIS. 1, Maragogipe, 1993. Anais..., Maragogipe-BA, 1993.

RÊGO, J.C.V. Ilha de Maré vista de dentro: um olhar a partir da comunidade de Bananeiras, Salvador-BA. Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA, 2019.

RIOS, K.A.N. As Comunidade tradicionais pesqueiras da Baía de Todos os Santos: contradições, lutas e resistências. Mares: Revista de Geografia e Etnociências. v.1, n.1 p.28-38, 2019

SANTOS, I.M.M e SANTOS, R. da S. A etapa de análise no método história de vida – uma experiência de pesquisadores de enfermagem. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2008 Out-Dez; 17(4): 714-9, 2008.

SCHAFFER-NOVELLI, Y. Perfil dos ecossistemas litorâneos brasileiros, com especial ênfase sobre o ecossistema manguezal. Publ. Esp. Inst. Ocean., n.7, p.1-16, 1989.

SENNA, C. Evolução do patrimônio edificado. In: FALCÓN, G. (Ed.). Baía de Todos os Santos; diagnóstico socio-ambiental e subsídios para a gestão. Salvador: germen/UFBA-NIMA, 1997. p.57-67.

SILVA, L. S. da. A economia pesqueira artesanal no município de Salvador-BA: da organização produtiva a comercialização nas colônias de pescadores. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA, 2013.

SOARES, L.S.H.; SALLES, A.C.R.; LOPEZ, J.P.; MTO, E.Y.; GIANNINI,R. Pesca e produção pesqueira. In: HATJE, V.; ANDRADE, J.B. de (Orgs). Baía de Todos os Santos. Aspectos oceanográficos. Salvador: EDUFBA, 2009.

SOUTO, FJ.B. A Ciência que veio da lama. Uma abordagem etnoeccológica abrangente das relações ser humano/manguezal na comunidade pesqueira de Acupe (Santo Amaro-BA). Tese de doutorado. Universidade Federal de São. São Carlos-SP, 2004.

___________. A Ciência que veio da lama: Etnoecologia em áreas de manguezal. Recife: NUPEEA, 2008, 92pp.

SOUZA, G.S. Tratado descritivo do Brasil em 1587: edição castigada pelo estudo e exame de muitos códices manuscritos existentes no Brasil, em Portugal, Espanha e França e acrescentada de alguns comentários por Francisco Adolfo de Varnhagen. Apresentação de Leonardo Dantas Silva. 9. ed. rev. atual. Recife: FJN; Ed. Massagana, 2000

SENNA, C. Evolução do patrimônio edificado. In: FALCÓN, G. (Ed.). Baía de Todos os Santos; diagnóstico socio-ambiental e subsídios para a gestão. Salvador: germen/UFBA-NIMA, 1997. p.57-67.

TAVARES, T.M.; CAMPOS, V.P. Ambiente atmosférico. In: FALCÓN, G. (Ed.). Baía de Todos os Santos; diagnóstico socioambiental e subsídios para a gestão. Salvador: germen/UFBA-NIMA, 1997. p.79-109.

TOLEDO, V.M. What is ethnoecology? Origins, scope and implications of rising discipline. Etnoecologia, v.1, n.1, p.5-27, 1992.

TOLEDO, G.L; SILVA, T.T. da. A Memética e o seu lugar entre as ciencias. Scientiarum historia. VII, 2014.

TUXILL, J.; NABHAN, G.P. Plantas, comunidades y areas protegidas. una guia para el manejo in situ.. Reino Unido: Nordan Comunidad/WWF/UNESCO, 2001.

VANNUCCI, M.. Os manguezais e nós: uma síntese de percepções. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v5i1.266

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com