MÉTODOS QUANTITATIVOS NÃO SÃO A SALVAÇÃO DE TODA LAVOURA ETNOBOTÂNICA: O QUE DIZ JAVIER CABALLERO

Lin Chau Ming, Ari de Freitas Hidalgo

Resumo


Este trabalho refere-se à entrevista feita pelos autores com o Professor Javier Caballero Nieto, da Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM), sobre assuntos relacionados a métodos quantitativos em Etnobotânica, algumas de suas principais características, e sua complementariedade com enfoques qualitativos de pesquisa, tema que tem sido objeto de aprofundamentos nos últimos anos no Brasil (e no mundo). Javier Caballero é biólogo formado pela própria UNAM, em 1974, e fez mestrado na mesma universidade (1980) e também na Universidade da Califórnia, Berkeley (1988), onde também terminou o doutorado em 1994. Tem demonstrado interesse em Etnobotânica desde o tempo de graduação e depois se concentrou em temas mais ligados aos métodos quantitativos na área, mas sempre envolvendo uma relação sólida com aspectos ecológicos e de domesticação das plantas e as comunidades tradicionais. Suas opiniões ajudam a esclarecer vários aspectos sobre o assunto e também a aprofundar e estimular o debate entre os interessados na área.


Palavras-chave


etnobotânica; métodos quantitativos; Javier Caballero; UNAM

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v5i1.275

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com