ETNOBIOLOGIA E DIÁLOGO INTERCULTURAL: CONCEPÇÕES DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS E IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

Geane Machado Araújo, Geilsa Costa Santos Baptista

Resumo


Apresentamos resultados de uma pesquisa qualitativa que teve por objetivo analisar as concepções de professores de ciências acerca da consideração da diversidade cultural por meio do diálogo intercultural, tendo a etnobiologia como coadjuvante para que isto aconteça e apontar possíveis implicações dessas concepções para o desenvolvimento da competência intercultural na formação docente. A coleta de dados se deu a partir de entrevista semiestruturada com quatro professoras de ciências naturais que atuam em escolas localizadas no município de Coração de Maria. Foram geradas cinco categorias temáticas e sobre elas análises de conteúdo, as quais indicam que as professoras participantes concebem como importante o diálogo intercultural, entretanto, elas apresentam limitações na compreensão dos termos cultura e ciência, além de não conhecerem a etnobiologia de modo a tê-la como subsídio ao ensino de ciências, o que o que pode dificultar a investigação, compreensão e relação entre diferentes saberes culturais nas salas de aula e, com isso, tornar-se um mediador cultural por meio do diálogo.


Palavras-chave


Etnobiologia; Formação de professores de ciências; Diversidade cultural

Texto completo:

PDF

Referências


ABD-EL-KHALICK, F.; LEDERMAN, N. Lederman. Improving science teachers' conceptions of nature of science: a critical review of the literature. International Journal of Science Education, v. 22, n. 7, p. 665–701, 2000.

BAPTISTA, G. C. S. Importância da demarcação de saberes no ensino de ciências para sociedades tradicionais. Ciência & Educação, v. 16, n. 3, p. 679-694, 2010.

BAPTISTA, G. C. S. Um enfoque etnobiológico na formação do professor de ciências sensível à diversidade cultural: estudo de caso. Ciência & Educação, v. 21, n. 3, p. 585-603, 2015.

BAPTISTA, G. C. S.; ARAUJO, G. M. Desenvolvimento para a competência intercultural na formação do professor de biologia pelas práticas da etnobiologia. Gaia Scientia, v. 12, n. 2, p. 76-88, 2018.

BARDIN, L. 1977. Análise de Conteúdo, Lisboa: Edições 70, p. 229.

BISPO, M. das G. de S.; BAPTISTA, G. C. S. Como os professores de biologia concebem a diversidade cultural: influências para o diálogo intercultural e proposta para a formação docente. Gaia Scientia, v. 13, n. 2, p. 48-63, 2019.

BOHM, D. On dialogue. Routledge, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução número 466. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

CANDAU, V. M. F. Diferenças culturais, interculturalidade e educação em direitos humanos. Educação & Sociedade, v. 33, n. 118, p. 235-250, 2012.

CANEN, A; XAVIER, G. P. de M. Formação continuada de professores para a diversidade cultural: ênfases, silêncios e perspectivas. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, p. 641-813, 2011.

COBERN, W. W. Worldview, culture, and science education. Science Education International, v. 5, n. 4, p. 5-8, 1994.

CREPALDE, R. S., AGUIAR, O. G. Abordagem intercultural na educação em ciências: da energia pensada à energia vivida. Educação em Revista, v. 30, n.3, p. 43-61, 2014.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3ª ed. Porto Alegre: ArtMed, 2010.

DIMITROV, D.; HAQUE, A. Intercultural teaching competence: a multi-disciplinary model for instructor reflection. Intercultural Education, v. 27, n. 5, p. 437-456, 2016.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido, 17ª. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987, p. 107.

GEERTZ, C. Interpretação das Culturas. São Paulo: LTC, 1989.

GIL-PÉREZ, D.; VILCHES, A. inmersión en la cultura científica para la toma de decisiones ¿necesidad o mito? Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las Ciencias, v. 2, n. 3, p. 302-329, 2005.

LOPES, A. R. C. Pluralismo cultural em políticas de currículo nacional. In: MOREIRA, A. F. B. (Org.). Currículo: políticas e práticas. Campinas: Papirus, p. 59-80, 1999.

PIZZI, L. C. V.; ALVES, J. C. da P. Currículo, cultura escolar e disciplinamento. Espaço do currículo, v.3, n.1, p.296-304, 2010.

POSEY, D. A. Etnobiologia: teoria e prática. In: RIBEIRO, D. (Ed.). Suma etnológica brasileira. 3. ed. Petrópolis: Vozes, v. 1. p. 1-15, 1997.

RAMÍREZ, T. El rol docente-investigador en Venezuela ¿Mito o realidad? Caracas: Ed. Núcleo de investigaciones filosóficas del IPC, 1995, 62 p.

SCHÖN, D. A. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, António (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa – Portugal: Dom Quixote, 1992.

SERCU, L. The foreign language and intercultural competence teacher: the acquisition of a new professional identity. Intercultural Education, v.17, n 1, p. 55-72, 2006.

SUCIU, M. C.; NEAGU, A. M.; MATEESCU, L. M. A perspective of intercultural dialogue in education. SEA: Practical Application of Science, v. 2, n. 3, p. 631-636, 2014.

TEO, W. T. Different perspectives of cultural mediation: implications for the research design on studies examining its effect on students’ cognition. Cultural Studies of Science Education, v. 8, p. 295–305, 2013.

VASCONCELOS, C.; PRAIA, J. F.; ALMEIDA, L. S. Teorias de aprendizagem e o ensino/aprendizagem das ciências: da instrução à aprendizagem. Psicologia escolar e educacional, v. 7, n. 1, p. 11-19, 2003.

VIECHENESKI, J. P.; CARLETTO, M. Por que e para quê ensinar ciências para crianças. Revista do ensino de Ciência e Tecnologia, v. 6, n. 2, p. 213-227, 2013.

VILELA-RIBEIRO, E. B; BENITE, A. M. C. Concepções sobre natureza da ciência e ensino de ciências: um estudo das interações discursivas em um Núcleo de Pesquisa em Ensino. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 9, n.1, p. 1-21, 2009.

VOGT, A.C. Espiral da cultura científica. Com Ciência, Campinas. Atualizado em 10/07/2003. Disponível em: . Acesso em: 15 de maio de 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v5i1.301

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com