ONDE OS DIAMANTES OCORREM: PLANTAS INDICADORAS DE DIAMANTES NO BRASIL

Bernardo Tomchinsky, Felipe Fernando da Silva Siqueira

Resumo


As plantas indicadoras são espécies adaptadas a determinados ambientes que podem ser utilizadas pelas populações humanas para a classificação destas paisagens de acordo com as suas caraterísticas ou potenciais usos. Entre estas plantas, algumas são utilizadas como indicadoras geobotânicas por estarem relacionadas à presença de determinados minerais ou propriedades do solo. Este trabalho faz um levantamento de espécies consideradas indicadores de diamantes no Brasil. A partir de ampla revisão de literatura foram identificadas cinco espécies vegetais relacionadas com a ocorrência de diamantes no país (Babarcenia sp., Vellozia sp., Lageonocarpus adamantinus, Schwartzia adamantium e Norante guianensis). Destas, três foram analisadas quanto as suas distribuições e comparadas com os locais com registro de ocorrência de diamantes no país. Existe uma sobreposição entre as áreas onde estas plantas ocorrem e locais diamantíferos. É provável que as espécies de ocorrência mais restrita (L. adamantinus e S. adamantium) são melhores indicadoras ambientais para a ocorrência de diamantes. Entretanto, com os dados obtidos neste trabalho, apenas a ocorrência destas plantas não é suficiente como indicador da presença de diamantes e são necessários outros estudos para a prospecção geológica de corpos kimberlíticos e de gemas de diamantes em fontes secundárias onde estas espécies ocorrem para confirmar esta correlação.


Palavras-chave


etnoecologia. etnopedologia; indicador geobotânico; conhecimento tradicional

Texto completo:

PDF

Referências


Allaby, M. Geobotanical exploration: A Dictionary of Ecology . Encyclopedia. 2020. Disponível em: https://www.encyclopedia.com (acessado em 04 de janeiro de 2020).

Alves M., Araújo, A. C., Vitta, F. Cyperaceae. In: Giulietti, A. M., Rapini, A., Andrade, M. J. G., Queiroz, L. P., Silva, J. M. C. D. (Org.). Plantas Raras do Brasil. Belo Horizonte: Conservação Internacional; Universidade Estadual de Feira de Santana. 2009. 496p.

Alves, A. G. C. Conhecimento local e uso do solo: uma abordagem etnopedológica. Interciência v. 30, n. 9, p: 524-528. 2005.

Araújo, A.L., Alves, A.G.C. Romero, E., Ferreira, T.O. etnopedologia: uma abordagem das etnociências sobre as relações entre as sociedades e os solos. Ciência rural, v. 43, n.5, p: 854-860. 2013

Balée, W. Cultura na vegetação da Amazônia brasileira. In: Neves, W. A. (Org.). Biologia e ecologia humana na Amazônia: Avaliação e perspectivas. Belém: SCT/PR, CNPq. 1989. p. 95-109.

Balée, W. Cultural forests of the Amazona: A history of people and their landscape. University of Alabama. 2013. 268 p.

Brooks, R. R. Indicator plants for mineral prospecting — a critique. Journal of Geochemical Exploration. v. 12, p: 67–78. 1979. doi:10.1016/0375-6742(79)90064-5

Brooks, R. R. Noble Metals and Biological Systems: Their Role in Medicine, Mineral Exploration, and the Environment. CRC Press. 1992. p. 181.

Bulanova, G. P. The formation of diamond. Journal of Geochemical Exploration, v. 53, n: 1-3, p: 1-23. 1995. https://doi.org/10.1016/0375-6742(94)00016-5

Cabral Neto, I., Nannini, F., Silveira, F. V., Cunha, L. M. Áreas kimberlíticas e diamantíferas do estado de Minas Gerais e regiões adjacentes. Projeto Diamante Brasil. Informe de recursos minerais. Programa geologia do Brasil. Série pedras preciosas no 10. Brasília: CPRM. 2017.

Cannon, H. L. Use of plant indicators in ground water surveys, geologic mapping, and mineral prospecting. Taxon, v. 20, p: 227-256. 1971.

CNCFlora. Lagenocarpus adamantinus in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. 2018. Disponível em http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Lagenocarpus adamantinus. (Acesso em 7 novembro 2018).

CNCFlora. Koanophyllon adamantium in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. 2020. Disponível em . (Acesso em 5 abril 2020).

Correa, P. M. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. Rio de Janeiro: IBDF, 6v. 1982.

Costa, M.J., Luz, A.B. Diamante. In. Luz, A. B., Lins, F. A. F. Rochas e Minerais Industriais. Rio de Janeiro: CETEM/MCT: 427-450. 2005.

Flora do Brasil 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2020. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br (Acesso em 13 de fevereiro de 2020).

Griffin, W. L.; Ryan, C.G. Trace elements in indicator minerals: area selection and target evaluation in diamond explorations. Journal of Geochemical Exploration, v. 52, n. 1-3, p: 311-337. 1995. https://doi.org/10.1016/0375-6742(94)00015-4

Guveritch, J., Scheiner, S. M. S, For, G. A., Oliveira, P. L., Hartz, S. M., Duarte, L. S., Becker, F. G., Dillenburg, L. R., Muller, S. C. Ecologia vegetal. Porto Alegre: Artmed. 2009. 572 p.

Haggerty, S. E. Discovery of a kimberlite pipe and recognition of a diagnostic botanical indicator in Liberia. Economic Geology, v. 110, n. 4, p: 851-856. 2015. doi:10.2113/econgeo.110.4.851

Hand, R. Rare African plant signals diamonds beneath the soil. Sciencemag. 2015. Disponível em: https://www.sciencemag.org/news/2015/05/rare-african-plant-signals-diamonds-beneath-soil# (Acesso em 27 de maio de 2020).

INCT. Herbário Virtual da Flora e dos Fungos. Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia. 2020. Disponível em http://inct.splink.org.br, (acesso em 04 de Abril de 2020).

Jeansen, A. J. A., Sheahan, P. A. Catalogue of world wide diamond and kimberlite occurrences: a selective and annotative approach. Journal of geochemical exploration. v. 53, n.1-3, p: 73-111. 1995. https://doi.org/10.1016/0375-6742(94)00017-6

Klappa, C. F. Rhizoliths in terrestrial carbonates: Classification, recognition, genesis and significance. Sedimentology, v. 27, n.6, p: 613–629. 1980.

Leimu, R., Fischer, M. A Meta-Analysis of Local Adaptation in Plants. PlosOne, v.3, n.12, p: e4010. 2008. https://doi.org/10.1371/journal.pone.000401

Levis, C. et al. Persistent effects of pre-Columbian domesticatication Amazonian forest composition. Science, v. 355, n. 6328, p: 925-931. 2017. DOI: 10.1126/science.aal0157

Lima, E. S. Aluviões diamantíferos da foz dos rios Jequitinhoa e pardo: fase I: projetos diamante Brasil: estado da Bahia. Informe de recursos Minerais, série pedras preciosas n. 9. Salvador: CPRM. 2016.

Lorenzi, H. Plantas daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. Nova Odessa: Instituto Plantarum. 2008. 640p.

Marshall, T. R., Baxter-Brown, R. Basic principles of alluvial diamond exploration. Journal of Geochemical Exploration, v. 53, n. 1-3, p: 277-292. 1995. https://doi.org/10.1016/0375-6742(94)00067-L

Martin, M. H., Coughtrey, P. J. Biological Indicators of Natural Ore-Bodies: Geobotanical and Biogeochemical Prospecting for Heavy Metal Deposits. In: Biological Monitoring of Heavy Metal Pollution. Pollution Monitoring Series. Springer, Dordrecht. 1982.

Martius, C.F.P.V. Lageonocarpus adamantinus. Flora brasiliensis. v.2, n. 3, p: 165. 1842.

Mitchell, R.H. Petrology of hypabyssal kimberlites: Relevance to primary magma compositions. Journal of Volcanology and Geothermal Research. v. 174, n: 1–3, p 1-8. 2008. d oi.org/10.1016/j.jvolgeores.2007.12.024.

Mota, N.F.O.; Watanabe, M,T.K.; Zappi, D.C.; Hiura, A.L.; Pallos, J.; Viveros, R.S.; Giulietti, A.M.; Viana, P.L. Cangas da Amazônia: a vegetação única de Carajás evidenciada pela lista de fanerógamas. Rodriguésia, v. 69, n.3, p: 1435-1488. 2018. https://doi.org/10.1590/2175-7860201869336

Nannini, F.; Cabral Neto, I., Silveira, F. V., Cunha, L. M., Oliveira, R. G., Weska, R. K. Áreas kimberlíticas e diamantíferas do estado do Mato Grosso. Programa Diamante Brasil. Informe de recursos mineiras. Programa geologia do Brasil. Série Pedras Preciosas, no 12. Brasilia: CPRM. 2017.

Nixon, P. H. The morphology and nature of primary diamontiferous occurrences. Journal of Geochemical Exploration v. 53, n 1-3, p: 41-71. 1995. https://doi.org/10.1016/0375-6742(94)00034-9

Nordal, I., Haraldsen, K. B., Ergon, Å. Copper resistance and genetic diversity in Lychnis alpina (Caryophyllaceae) populations on mining sites. Folia Geobot v. 34, p: 471–481. 1999. https://doi.org/10.1007/BF02914923

Peckolt, T., Peckolt, G. História das plantas medicinais e úteis do Brasil. Belo Horizonte: Fino Traço. 2016. 904 p.

Posey, D. Manejo de floresta secundária, capoeira, campos e cerrados (Kayapó). Ribeiro, D., Ribeiro, B. G. (coord.). Suma Etnológica Brasileira. Vol. 1: Etnobiologia. Petrópolis: Vozes, Finep. 1986. p. 172-186.

Primavesi, A. M. Algumas plantas indicadoras – como reconhecer os problemas do solo. São Paulo: Expressão Popular. 2017. 48p.

Saint-Hilaire, A. Flora Brasiliae Meridional. v.1. Paris. 1825.

Silva Junior, M. C. 100 arvores do Cerrado: guia de campo. Brasília: Editora Rede de Sementes do Cerrado. 2005. 278 pg

Silveira, F. V., Neto, I.C., Cunha, L.M. Projeto Diamante Brasil. In 7th Simpósio Brasileiro de Geologia do Diamante, Salvador. 2018. Disponível em file:///C:/Users/btomc/Downloads/Silveiraetal.2018b.pdf

Spix, J. B., Martius, C. F. Travels in Brazil in the years 1817-1820. Undertaken by command of His Majesty the King of Bavaria, Longmans, London. 1824.

Svisero, D. P., Chieregati, L. A. Contexto geológico de kimberlitos, lamproítos e ocorrências diamantíferas do Brasil. Boletim IG-USP 9. 1991.

Tropicos. Missouri Botanical Garden. 2020. Disponível em: https://www.tropicos.org/home, (acesso em 01/02/2020).

Vale, E. Perfil da exploração de diamantes no Brasil: relatório final. Brasília: SMM/MME. 2003. 69p.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v5i1.321

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com